terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Mario de Sá-Carneiro

Aprecio bastante as obras de Mário de Sá-Carneiro, embora muitas pessoas considerem-nas depressivas. Das obras em prosa, vale a pena ler o conto "Loucura", que evidencia o talento do jovem escritor do início do século XX para outros gêneros além da poesia.
Postei abaixo dois  poemas: "Quase" e "Como eu não possuo".
A leitura da biografia pode ajudar você a compreender  um pouco  mais  a personalidade do autor, seu estilo, influências de pessoas, situações e lugares que lhe permearam a produção literária.
Abraços,
Cida.                                     Quase
                                           Um pouco mais de sol - eu era brasa,
                                           Um pouco mais de azul - eu era além.
                                           Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
                                           Se ao menos eu permanecesse aquém...
Assombro ou paz? Em vão ...Tudo esvaído
Num baixo mar enganador de espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor - quase vivido..
                                          Quase o amor, quase o triunfo e a chama,
                                          Quase o princípio e o fim - quase a expansão...
                                          Mas na minh'alma tudo se derrama...
                                          Entanto nada foi só ilusão!

De tudo houve um começo...e tudo errou...
- Ai a dor de ser - quase, dor sem fim...
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não voou...
Momentos de alma que desbaratei...
Templos aonde nunca pus um altar...
Rios que perdi sem os levar ao mar...
       Ânsias que foram mas nunca mais fixei...

Se me vagueio, encontro só indícios...
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos de herói, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios...

                                                     Num ímpeto difuso de quebranto
                                                     Tudo encetei e nada possuí...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi...
Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...
Mário de Sá-Carneiro
  Como eu não possuo
                                           Olho em volta de mim. Todos possuem ---
                                           Um afecto, um sorriso ou um abraço.
                                           Só para mim as ânsias se diluem
                                           E não possuo mesmo quando enlaço.

Roça por mim, em longe, a teoria
Dos espasmos golfados ruivamente;
São êxtases da cor que eu fremiria,
Mas a minh'alma pára e não os sente!
                                            Quero sentir. Não sei... perco-me todo...
                                            Não posso afeiçoar-me nem ser eu
                                            Falta-me egoísmo para ascender ao céu,
                                            Falta-me unção pra me afundar no lodo.

Não sou amigo de ninguém. Pra o ser
Forçoso me era antes possuir
Quem eu estimasse --- ou homem ou mulher,
E eu não logro nunca possuir!...
                                         Castrado de alma e sem saber fixar-me,
                                         Tarde a tarde na minha dor me afundo...
                                         Serei um emigrado doutro mundo
                                         Que nem na minha dor posso encontrar-me?...

Como eu desejo a que ali vai na rua,
Tão ágil, tão agreste, tão de amor...
Como eu quisera emaranhá-la nua,
Bebê-la em espasmos de harmonia e cor!...
                                        Desejo errado... Se a tivera um dia,
                                        Toda sem véus, a carne estilizada
                                        Sob o meu corpo arfando transbordada,
                                        Nem mesmo assim --- ó ânsia! --- eu a teria...

Eu vibraria só agonizante
Sobre o seu corpo de êxtases doirados,
Se fosse aqueles seios transtornados,
Se fosse aquele sexo aglutinante...

                               De embate ao meu amor todo me ruo,
                                E vejo-me em destroço até vencendo:
                                É que eu teria só, sentindo e sendo
                                Aquilo que estrebucho e não possuo.
Mário de Sá-Carneiro
                                                                                                      Sobre o autor
Nasceu, no seio de uma abastada família alto-burguesa, sendo filho e neto de militares. Órfão de mãe com apenas dois anos (1892), ficou entregue ao cuidado dos avós, indo viver para a Quinta da Vitória, na freguesia de Camarate, às portas de Lisboa, aí passando grande parte da infância.
Inicia-se na poesia com doze anos, sendo que aos quinze já traduzia Victor Hugo, e com dezesseis, Goethe e Schiller. No liceu teve ainda algumas experiências episódicas como ator, e começa a escrever.
Em 1911, com dezenove anos, vai para Coimbra, onde se matricula na Faculdade de Direito, mas não conclui sequer o ano. Aí, contudo, viria a conhecer aquele que foi, sem dúvida, o seu melhor e mais compreensivo amigo – Fernando Pessoa –, o qual, em 1912, o introduziu no ciclo dos modernistas.
Desiludido com a «cidade dos estudantes», segue para Paris a fim de prosseguir os estudos superiores, com o auxílio financeiro do pai. Cedo, porém, deixou de frequentar as aulas na Sorbonne, dedicando-se a uma vida boêmia, deambulando pelos cafés e salas de espetáculo, chegando a passar fome e debatendo-se com os seus desesperos, situação que culminou na ligação emocional a uma prostituta, a fim de combater as suas frustrações e desesperos.
Na capital francesa viria a conhecer Guilherme de Santa-Rita (Santa-Rita Pintor). Inadaptado socialmente e psicologicamente instável, foi neste ambiente que compôs grande parte da sua obra poética e a correspondência com o seu confidente Pessoa; é, pois, entre 1912 e 1916 (o ano da sua morte), que se inscreve a sua fugaz – e no entanto assaz profícua – carreira literária.
Entre 1913 e 1914 vai a Lisboa com certa regularidade, regressando à capital devido à deflagração do conflito entre a Sérvia e a Áustria-Hungria, o qual a breve trecho se tornou uma conflagração à escala europeia – a I Guerra Mundial. Com Pessoa e ainda Almada-Negreiros integrou o primeiro grupo modernista português (o qual, influenciado pelo cosmopolitismo e pelas vanguardas culturais europeias, pretendia escandalizar a sociedade burguesa e urbana da época), sendo responsável pela edição da revista literária Orpheu (e que por isso mesmo ficou sendo conhecido como a Geração d’Orpheu ou Grupo d’Orpheu), um verdadeiro escândalo literário à época, motivo pelo qual apenas saíram dois números (Março e Junho de 1915; o terceiro, embora impresso, não foi publicado, tendo os seus autores sido alvo da chacota social) – ainda que hoje seja, reconhecidamente, um dos marcos da história da literatura portuguesa, responsável pela agitação do meio cultural português, bem como pela introdução do modernismo em Portugal.
Em Julho de 1915 regressa a Paris, escrevendo a Pessoa cartas de uma crescente angústia, das quais ressalta não apenas a imagem lancinante de um homem perdido no «labirinto de si próprio», mas também a evolução e maturidade do processo de escrita de Sá-Carneiro.
Uma vez que a vida que trazia não lhe agradava, e aquela que idealizava tardava em se concretizar, Sá-Carneiro entrou numa cada vez maior angústia, que viria a conduzi-lo ao seu suicídio prematuro, perpetrado no Hotel de Nice, no bairro de Montmartre em Paris, com o recurso a cinco frascos de arseniato de estricnina.
Contava tão-só vinte e seis anos. Extravagante tanto na morte como em vida (de que o poema Fim é um dos mais belos exemplos), convidou para presenciar a sua agonia o seu amigo José de Araújo. E apesar de o grupo modernista português ter perdido um dos seus mais significativos colaboradores, nem por isso o entusiasmo dos restantes membros esmoreceu – no segundo número da revista Athena, Pessoa dedicou-lhe um belo texto, apelidando-o de «génio não só da arte como da inovação dela», e dizendo dele, retomando um aforismo das Báquides (IV, 7, 18), de Plauto, que «Morre jovem o que os Deuses amam» (tradução literal de Quem di diligunt adulescens moritur).
Verdadeiro insatisfeito e inconformista (nunca se conseguiu entender com a maior parte dos que o rodeavam, nem tão pouco ajustar-se à vida prática, devido às suas dificuldades emocionais), mas também incompreendido (pelo modo com os contemporâneos olhavam o seu jeito poético), profetizou acertadamente que no futuro se faria jus à sua obra, no que não falhou.
Com efeito, reconhecido no seu tempo apenas por uma fina elite, à medida que a sua obra e correspondência foi publicada, ao longo dos anos, tornou-se acessível ao grande público, sendo atualmente considerado um dos maiores expoentes da literatura moderna em língua portuguesa. (...)
A terra que o acolheu na infância – Camarate –, e a quem ele dedicou também algumas das suas poesias, homenageou-o, conferindo o seu nome a uma escola local. O seu poema Fim foi musicado por um grupo português no final dos anos 1980, os Trovante. Mais tarde, o seu poema O Outro foi também musicado pela cantora brasileira Adriana Calcanhotto.
As suas influências literárias são de Edgar Allan Poe, Oscar Wilde, Charles Baudelaire, Stéphane Mallarmé, Fiódor Dostoievski, Cesário Verde e António Nobre. Este escritor influenciou vários escritores, entre eles Eugénio de Andrade.
Na fase inicial da sua obra, Mário de Sá-Carneiro revela influências de várias correntes literárias, como o decadentismo, o simbolismo, ou o saudosismo, então em franco declínio; posteriormente, por influência de Pessoa, viria a aderir a correntes de vanguarda, como o interseccionismo, o paulismo ou o futurismo.
Nessas pôde exprimir com à-vontade a sua personalidade, sendo notórios a confusão dos sentidos, o delírio, quase a raiar a alucinação; ao mesmo tempo, revela um certo narcisismo e egolatria, ao procurar exprimir o seu inconsciente e a dispersão que sentia do seu «eu» no mundo – revelando a mais profunda incapacidade de se assumir como adulto consistente.
O narcisismo, motivado certamente pelas carências emocionais (era órfão de mãe desde a mais terna puerícia), levou-o ao sentimento da solidão, do abandono e da frustração, traduzível numa poesia onde surge o retrato de um inútil e inapto. A crise de personalidade levá-lo-ia, mais tarde, a abraçar uma poesia onde se nota o frenesi de experiências sensórias, pervertendo e subvertendo a ordem lógica das coisas, demonstrando a sua incapacidade de viver aquilo que sonhava – sonhando por isso cada vez mais com a aniquilação do eu, o que acabaria por o conduzir, em última análise, ao seu suicídio.
Embora não se afaste da metrificação tradicional (redondilhas, decassílabos, alexandrinos), torna-se singular a sua escrita pelos seus ataques à gramática, e pelos jogos de palavras. Se numa primeira fase se nota ainda esse estilo clássico, numa segunda, claramente niilista, a sua poesia fica impregnada de uma humanidade autêntica, triste e trágica.
Por fim, as cartas que trocou com Pessoa, entre 1912 e o seu suicídio, são como que um autêntico diário onde se nota paralelamente o crescimento das suas frustrações interiores.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_de_S%C3%A1-Carneiro

6 comentários:

  1. Oi Cida tudo bem? Seu blog é simplesmente maravilhos. Vc est'a de parabéns. Beijos

    ResponderExcluir
  2. [trazer para o mundo de forma sucinta e elucidativa, desse "ensombreado" escritor do nosso século passado é obra... tenho que lhe tirar o meu chapéu]

    um imenso abraço

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. Sou uma apaixonada por Mario de Sá Carneiro. Um inquieto, um "desajustado", um louco. Para almas assim tão sensíveis o mundo não faz mesmo nenhum sentido.
    Amei teu trabalho. Ele me levou de volta aos tempos da faculdade onde eu, ainda tão inexperiente leitora, tentava desvendar o poeta para passar na disciplina de Literatura Portuguesa. Foi neste século e parece já que foi no século passado.

    Beijos de muitas saudades: tuas, das aulas de literatura, e de tantas outras coisas que foram e já não serão mais.
    Silvia

    ResponderExcluir
  4. Olá! Não tomarei muito de seu tempo. Encontrei-o ao adentrar a lista de seguidores do “Palavras de Osho” (blog com o qual tenho me identificado). E visto o ecletismo dos seguidores deste blog, decidi divulgar o meu atual trabalho, que se trata de meu primeiro microconto “O Aparelho Digestório”. Caso se interesse e me visite, será um imenso prazer retornar a esta casa com mais tempo, atenção e calma.

    Forte abraço de Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com de blog em blog
    divulgando e dando o recado!

    ResponderExcluir
  5. Cidda,

    O Cordelista foi feliz na construção do belíssimo texto. Precisamos sim, de pessoas que usem a inteligência a favor da ética e da felicidade essencial. A felicidade que buscamos na realidade diária e não na fantasia vendida pela mídia televisiva. O layout do seu blog está show e o conteúdo selecionado está a serviço do papel social da produção de leitura.
    Sucesso e afetuoso abraço,
    Rosa Maria (rosadaserra.blogspot.com)

    ResponderExcluir